Não recuaremos afirmam lideranças Terenas sobre a decisão do STJ.

Na manhã de ontem (05-03) a comunidade Terena Buriti de Sidrolândia e Dois Irmãos do Buriti se mobilizando para um ato de protesto antiga sede da Fazenda Buriti contra a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que manteve a sentença do TRF (Tribunal Federal) de não reconhecer como terra terena os 15 mil hectares distribuídos entre 30 propriedades, dando vitória aos fazendeiros.

Aproximadamente mil indígenas, entre guerreiros, mulheres e crianças das 12 tribos Terenas, participarão da manifestação no local emblemático da causa terena, o local onde em 2013, Oziel Gabriel, foi morto (supostamente pela Polícia Federal) durante ato de

A disposição inicial das lideranças é não só manter a retomada de 27 das 30 propriedades, como ocupar as três remanescentes da área reivindicada como parte da Reserva Buriti.

Segundo Otoniel Gabriel, irmão de Oziel e um dos porta-vozes das 12 aldeias e 6 mil famílias que moram na região, a comunidade vai cobrar do Governo Federal a conclusão dos entendimentos, em andamento há 5 anos e “não vamos dessucupar a Terra Buriti “, disse

“Recebemos, com muita indignação, essa decisão do STF. Uma afronta. Os estudos antropológicos já atestaram que a área pertence aos índios”, argumenta.

“A nossa confiança agora está só em Deus e na força do Guerreiro Terena , e vamos defender nossas terras “disse Otoniel.

Decisão do STJ.

A 1ª Turma do STJ se manifestou sobre o caso na terça-feira (27 de fevereiro) quando, por unanimidade, manteve decisão de 2016 da ministra relatora, Regina Helena Costa, que negou recurso a União à manifestação do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) – que em março de 2015 negou pleito da União para expandir dos cerca de dois mil hectares para mais de 17 mil a reserva indígena Buriti, englobando a área em conflito.

Os terenas se baseiam em estudos técnicos que apontam a Buriti e propriedades na região como terra indígena. Mesmo assim, a questão vem sendo sucessivamente alvo de derrotas na Justiça.

O Vereador Presidente da Câmara de Dois Irmãos do Buriti Eder Alcântara (MDB) e o Secretario Municipal de Assuntos Indígena Arildo Alcântara estão embarcando para o Distrito Federal para marcar um agenda no STJ para reverter a situação junto ao STJ e tentar evitar mais um confronto entre as forças de reintegração e os Terenas , e mais uma vez reafirmou “nos não vamos recuar um palmo de terra conquistada”

“Ganhamos na primeira instância, que considerou ser aqui uma terra tradicional. Mas depois começamos a perder”, afirmou o Vereador, creditando o fato à “organização entre os produtores e membros da bancada ruralista”, acredita o Vereador Eder Alcântara.

foto e reportagem Karlão.

Pin It

Comentários estão encerrados.