Glifosato não será proibido no Brasil, pelo menos até 2019.

SOJA 15 Baixa Grande do Ribeiro/PI 14/03/2006 – 13:00 H – ESPECIAL / DOMINICAL / SOJA / MARANHAO / PIAUI – ECONOMIA OE – Aviao agricola pulverizando plantacao de soja com veneno para pragas, em fazenda proximo da Cidade de Baixa Grande do Ribeiro no sul do Estado do Piaui. FOTO:MARCIO FERNANDES/AE.

O herbicida Glifosato, agrotóxico com maior volume de vendas no Brasil, não vai ser banido do mercado nacional até 2019. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) firmou essa data como meta para concluir a análise toxicológica do produto. Depois disso, ainda ouvirá a sociedade sobre proibir ou manter o defensivo em uso no país. A reavaliação se arrasta desde 2008 no órgão e causa grande apreensão e incerteza no setor produtivo agrícola. Será um processo de mais de uma década e que pode se arrastar por mais tempo ainda. Estudos contratados não comprovam a nocividade à saúde humana, mesmo assim a indefinição continua.

A Anvisa publicou recentemente no site um material para esclarecer a demora para tomada de decisão sobre o Glifosato. Segundo o órgão, há divergência de opinião entre autoridades técnicas no mundo (o que exige cuidado redobrado ao lidar com o tema) e cita os casos da Europa e dos Estados Unidos, que também mantêm cautela e constante análise do produto. “Mesmo que se conclua que ele não é carcinogênico e que não possui qualquer impeditivo de registro segundo a legislação brasileira, é importante avaliar a necessidade de medidas de restrição de uso com base em outros aspectos toxicológicos além da carcinogenicidade. É importante registrar que não só no Brasil, mas em todo o mundo, as reavaliações de ingredientes ativos são complexas e, por isso, demandam bastante tempo”, diz o informe do presidente da agência e relator da reavaliação, Jarbas Barbosa.

Desde 2008, a Anvisa contratou diversos estudos para investigar os aspectos toxicológicos do Glifosato. Em 2013, a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) concluiu que a manipulação do produto não é capaz de causar câncer nos seres humanos e não indicou a proibição do uso dele no país. Em 2015, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) afirmou o contrário, que o produto seria nocivo, mas a Autoridade Europeia para Segurança dos Alimentos (EFSA) revisou a análise e manteve posição de que não há evidência suficiente para classificar o defensivo como carcinogênico.

A Anvisa ainda realizou um painel técnico em 2015 e, posteriormente, contratou uma especialista para estudar mais uma vez o assunto. O parecer técnico resultante foi encaminhado à Anvisa em julho de 2016 e também colocou o Glifosato como não carcinogênico.

Além disso, existem outros três pareceres técnicos do próprio órgão sobre esse ingrediente, o mais recente de junho deste ano. Nenhum deles sugere a proibição. Mas os estudos continuam. E apreensão dos produtores brasileiros também.

Fonte: Canal Rural

Pin It