Certificação garante mais visibilidade aos produtos das Furnas do Dionísio

Campo Grande (MS) – Conhecida pela qualidade da farinha de mandioca, a rapadura e as belezas naturais dos morros e cachoeiras, a comunidade quilombola Furnas do Dionísio ganha ainda mais visibilidade em suas atividades rurais com a entrega do Selo da Identificação da Participação da Agricultura Familiar (Sipaf) entregue nesta sexta-feira (9).

A certificação é concedida pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e dentro da comunidade foi viabilizada com o apoio do governo do Estado por meio da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) e a Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

Fundada em 1890, a Furnas do Dionísio conta hoje com 96 famílias que têm nas atividades agrícolas um traço importante de identidade que preserva um pouco da sua ancestralidade com Dionísio Antônio Vieira, mineiro que fundou a comunidade após a abolição da escravatura.

A partir de agora as hortaliças, mandioca e a rapadura da comunidade já podem ter Sipaf estampados em suas embalagens. “Só tenho a agradecer as famílias daqui e as entidades apoiadoras na conquista do selo. É uma coisa que representa muito para a gente porque vai agregar mais valor ao nosso trabalho. O selo é uma reafirmação da qualidade dos nossos produtos que já são bem conhecidos”, afirmou o presidente da Associação de Pequenos Produtores Rurais da Comunidade, Adriano Silva.

Há 35 km de Capital, a proximidade facilita não apenas a fama dos produtos que é feito de boca em boca como também a comercialização. Além de entregar alimentos para a merenda escolar pelo Pnae – Programa Nacional de Alimentação Escolar, os agricultores fazem a venda de alimentos na Ceasa – Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul.

A Agraer tem uma relação de muitos anos com a comunidade. Lembro-me de quando fizemos a os levantamentos topográficos para que a Furnas fosse reconhecida como comunidade remanescente de quilombo pela Fundação Palmares. Espero que o selo beneficie ainda mais a população local e a Agraer continua aqui com a assistência técnica e prestação de outros serviços”, destacou o diretor-presidente da Agraer, André Nogueira.

A certificação tem validade de cinco anos, podendo ser renovada. É concedido às empresas e cooperativas, portadoras ou não de DAP – Declaração de Aptidão ao Pronaf, e a agricultores familiares, desde que portadores de DAP, para identificar produtos como verduras, legumes, polpas de frutas e laticínios, etc.

Para o secretário adjunto da Semagro, Ricardo Senna, que na ocasião representou o secretário Jaime Verruck, o selo vem ao encontro das diretrizes de fortalecimento econômico estabelecido pelo governador Reinaldo Azambuja. “Pela secretaria nos foi dada a missão de trazer investimentos para Mato Grosso do Sul, mas não apenas de novas empresas, nessa difícil fase financeira do País, como também apoiar os pequenos negócios e a agricultura familiar que são bases importantes de geração de renda e empregos nos municípios”, afirmou.

Senna aproveitou a oportunidade para lembrar que outras medidas estão sendo tomadas para incrementar ainda mais as atividades das Furnas dos Dionísios. “O selo é uma conquista importante e o governo do Estado vem trabalhando em benefício da comunidade. Reforço que o projeto da farinheira está em processo de reajuste pela associação local e, estamos apenas que essa reformulação esteja pronta para fazer a liberação do recurso”.

A assinatura de permissão de uso do Sipaf foi promovida no barracão das Furnas, sede da associação. “Também foi assinado o termo solicitando o outro selo Quilombos do Brasil, o Sipaf é o primeiro passo para que a outra certificação possa ser emitida. O selo não se limita a geração de renda, ele é uma afirmação de identidade, cultura e qualidade dos produtos para a comunidade e os consumidores dos produtos”, afirmou a delegada adjunta da Sead/MS, Adriana Aparecida Mansano.

Selo Quilombos do Brasil – Criado em 2013, O selo é uma estratégia do governo federal para identificar produtos oriundos de Comunidades Quilombolas, como verduras, legumes, polpas de frutas, laticínios e artesanato. “O Sipaf é o que a gente precisava para dar entrada com o pedido desse outro selo”, disse o agricultor familiar Adriano Silva.

Tanto o Sipaf como o Selo Quilombos do Brasil associam aos produtos contemplados valores cada vez mais exigidos pelos consumidores e que de fato fazem parte de suas práticas, como sustentabilidade, responsabilidade socioambiental, valorização da cultura local e da produção regional. Já para a clientela, fica assegurado o direito de conhecer a origem do bem adquirido.

Participaram da solenidade de entrega do Sipaf as seguintes autoridades: o diretor-presidente da Agraer, André Nogueira, o secretário adjunto da Semagro, Ricardo Senna, o deputado estadual Enelvo Felini, o presidente da Associação, Adriano Silva, a delegada adjunta, Adriana Aparecida Mansano, o coordenador do Setor Quilombola do Incra, Márcio Cartela, o subsecretário do Estado de Políticas Públicas para Promoção da Igualdade Racial e da Cidadania Leonardo Melo, o Sebastião Batista (Rapinha) e o coordenador da Agraer de Jaraguari, Mamede Joaquim Borges. Além de moradores da comunidade e servidores da Agraer.

Texto: Aline Lira/ Fotos: Néia Maceno – Assessoria de Comunicação da Agraer

Pin It